Acidente de caiaque em Nápoles, menina de 30 anos morre

pessoa andando de caiaque laranja durante o dia
Conteúdo do artigo
0: 00 / 0: 00

Uma tragédia atingiu o mar de Posillipo, onde no domingo passado uma menina de 30 anos, Cristina Frazzica, ele perdeu a vida seguindo seu caiaque virando quando uma lancha a atingiu. O acidente ocorreu na zona de Posillipo, uma zona muito frequentada pelos praticantes de desportos náuticos.

A dinâmica do acidente ainda não está clara

O caiaque alugado de Cristina Frazzica e Vincenzo Carmine Leone, um advogado napolitano de 33 anos, foi impactado e derrubado devido a uma colisão lateral com outra embarcação, provavelmente uma lancha. A lancha, após a colisão, ele não parou verificar as consequências do acidente e Dar assistência.

Infelizmente, Cristina morreu instantaneamente, enquanto Vincenzo, ileso mas em estado de choque, contou aos investigadores a dinâmica do ocorrido. Provavelmente a lancha avançava em alta velocidade e “atropelou” o Caiaque, carregando ao ferimento grave da menina e o tombamento do caiaque.

Quem foi Cristina Frassica

Cristina Frazzica, natural de Vigevano, tinha 30 anos e era uma pessoa muito querida e respeitada. Nascida em Vigevano, morou em Pavia antes de se mudar há alguns meses para Nápoles, cidade pela qual se apaixonou. Ela tinha uma licenciatura em Biotecnologia na Universidade de Milão e frequentou a Academia PharmaTech de Federico II em Scampia.

Sua paixão pela natureza e pelo trekking ficou evidente nas inúmeras fotos que compartilhou nas redes sociais. Pouco antes do acidente, ele publicou uma foto na costa de Posillipo, com Villa Volpicelli bem enquadrada e a música de “Un posto al sole” como trilha sonora.

Foto pública do perfil de Cristina Frassica no Facebook

As investigações ainda estão em andamento

As operações de busca da embarcação envolvida no acidente são coordenadas pela Ministério Público de Nápoles, que abriu investigação por homicídio culposo e atropelamento mas nada impede que a acusação venha convertido em homicídio voluntário se a lancha avançasse em alta velocidade. De acordo com informações iniciais, o caiaque teria sido atingido por uma embarcação que seguia do norte em direção às docas de Mergellina e Nápoles.

Os investigadores estão a concentrar as suas verificações nos ancoradouros a sul de Nápoles e procuram testemunhos de quem possa ter testemunhado o acidente. A Capitania dos Portos e a Polícia Financeira estão ativamente envolvidos na investigação, tentando reconstruir com precisão o que aconteceu e identificar os responsáveis.

Segurança no mar em Nápoles

Toda a comunidade de Nápoles está abalado com esta tragédia, que destaca a necessidade de maior regulação e controle das atividades náuticas. Acidentes como o que causou a morte de Cristina Frazzica evidenciam como são comuns os riscos associados ao descumprimento das normas de segurança no mar.

É vital que sejam tomadas medidas para garantir que tais eventos não voltem a acontecer, aumentando a vigilância e a aplicação das leis existentes.

Siga-nos no Telegram
Vamos falar sobre: